LIVROS


Eu quero ser eu

Editora Planeta, Editora 7 Letras, 2014

“É, dona Ira, você é uma mocinha fora da curva” – disse o psicólogo da escola. Com seu cabelo crespo, seu piercing no nariz, seu caderno de desenhos, e suas camisetas de bandas de rock, Ira destoa das meninas populares, dos garotos bonitões, dos nerds, dos excluídos ansiando por pertencer a algum clubinho: Ira não se identificava com nenhum grupo, e nem queria. Preferia ficar sozinha, fones de ouvidos com música rock, caneta e bloquinhonas mãos fazendo o que mais gostava – desenhar, inventar, criar. Ou passar as tardes na companhia de Rob, uma menina diferente, que, como ela, não se vestia nem se comportava para obter a aprovação de ninguém. Mas um dia aconteceu: ele apareceu no corredor, suas pernas tremeram, o coração palpitou mais alto. E ele era nada mais nada menos que o bonitão da escola, pertencente a uma elite cuja atenção era disputada a tapa pelas meninas mais lindas e populares do colégio. E agora – se Ira não se adaptar aos padrões, será que Lôro vai aceitá-la como ela é? O livro contou com apoio da bolsa de criação literária do Programa Petrobrás Cultural.

Cidade Grande no Escuro

Editora 7 Letras, 2012

Cidade grande no escuro confirma o talento de uma das vozes mais originais e criativas de sua geração. As crônicas de Clara já conquistaram uma legião de leitores pela internet, e ficam ainda mais saborosas juntas, reunidas em livro. Seu olhar aguçado nos traz uma metrópole muito particular, que também se mistura e serve de metáfora para aquele outro lado da vida urbana que se vive internamente, entre quatro paredes.

Vida de Gato

Editora Planeta, 2004

Em Vida de gato, Clara Averbuck conta a história de Camila, que vive uma paixão alucinada e obsessiva por Antônio. Rejeitada pelo amado, ela narra o dia após dia depois do pé na bunda como quem não tem medo de viver – ou morrer – de amor até o fim. Assim como Los Angeles acolhe o apaixonado Bandini de Fante, São Paulo é o cenário em que Camila afoga as mágoas de boteco em boteco, e é também quem testemunha seu desvario e sua dor. Uma cidade amada e odiada que, como Antônio, parece tripudiar do seu coração.

Das Coisas Esquecidas atrás da Estante

Editora 7 Letras, 2003

Seleção dos melhores momentos do blog http://www.brazileirapreta.blogspot.com.br, usa uma linguagem coloquial e cheia de referências pop para falar sobre sexo, drogas, rock e solidão. “Que novidade. Ficção acontece comigo o tempo todo. O relógio fazendo tic-tac-tic-tac em algum lugar da casa. Não sei onde está. Os minutos pingando como uma torneira estragada e o relógio carimbando e jogando-os nas gavetas perdidas da minha vida. E eu aqui. Na mesma.”

Máquina de Pinball

Editora Conrad, 2002

Livro de estreia de Clara Averbuck. Lançado em 2002, conquistou os leitores, virou peça e serviu de inspiração – junto com seus outros livros – para o filme Nome próprio, de Murilo Salles. A escritora visceral, que faz da vida sua obra, que vira personagem e se entrega, direta e ferina, nas páginas e nas telas, tornou-se referência no admirável mundo novo da blogosfera do início do século.

Ilustrados


Toureando o Diabo

com Eva Uviedo / Editora Averbooks, 2016

Toureando o Diabo é uma coautoria da escritora Clara Averbuck e da ilustradora Eva Uviedo. O romance foi viabilizado com uma campanha de financiamento coletivo que somou mais de 600 apoiadores e apresenta um formato inovador, onde a narrativa se desdobra entre texto e imagens

Nossa Senhora da Pequena Morte

com Eva Uviedo / Editora do Bispo, 2008

O livro-LP de tiragem limitada (200 cópias) reproduz páginas escritas à mão ou datilografadas ilustradas com técnica mista (aquarela, nanquim, ecoline e colagens) e vem dentro de capas clássicas de long-plays de rock, blues e jazz. Tem desenhos, colagens, coisas escritas à máquina, outras à mão, muita fita crepe, mulheres-polvo, vitrolas, coelhos, café, cigarros, piadas internas, muito vinho de caixinha, todas aquelas coisas.

Coletâneas


Queria ter ficado mais

Editora Lote 42, 2015

Queria Ter Ficado Mais reúne 12 histórias escritas por mulheres em diferentes cidades do mundo – da vizinha Buenos Aires à longínqua Tóquio. Com textos autorais, sensíveis e envolventes, são viagens que vêm dentro de envelopes, como cartas enviadas de diversos pontos do globo para um único destinatário: você.

25 Mulheres que Estão Fazendo a Nova Literatura Brasileira

Editora Record, 2004

O livro reúne textos inéditos de 25 autoras que começaram a publicar prosa de ficção a partir de 1990. As histórias selecionadas por Luiz Rufatto são essencialmente urbanas. Tratam de forma ora debochada, ora reflexiva, sobre temas como a solidão, o sexo, a amizade e outros assuntos da vida contemporânea.